COMUNICADO DE IMPRENSA | “António Costa, os Açores e a SATA”

“António Costa, os Açores e a SATA”. É no mínimo estranho que, pela primeira vez, António Costa ou qualquer outro governante se tenha antecipado a uma possível calamidade na Região.

O Partido Democrático Republicano – PDR – não pode deixar de questionar o Primeiro-Ministro, António Costa, sobre a anunciada ida aos Açores, para acompanhar a passagem do furacão “Lorenzo”.

Acreditamos que esta anunciada visita não se prenderia com uma tentativa de ganhos políticos, numa altura em que estamos em campanha eleitoral e onde António Costa poderia mais facilmente fugir às perguntas sobre o caso Tancos, mas sim a uma genuína preocupação com o povo Açoriano.

Todavia, é no mínimo estranho que, pela primeira vez, António Costa ou qualquer outro governante se tenha antecipado a uma possível calamidade na Região, para mais, quando todas as previsões apontavam para uma passagem sem estragos avultados e sem o perigo para as populações que inicialmente foi avançado.

Perante este facto, e estando já confirmado que o furacão “Lorenzo” já não representa um perigo para os Açores e para os Açorianos, também ficámos a saber que António Costa afinal ficou por Lisboa e apenas foi visitar as instalações da Protecção Civil, em Carnaxide, para acompanhar a situação nos Açores e as consequências da passagem do furacão “Lorenzo”.

Acontece que, nos Açores está efectivamente a existir uma grave calamidade para a população desta Região, nomeadamente aquela que afecta a transportadora aérea SATA, uma das maiores empresas públicas da região, detida pelo Governo Regional, também este do Partido Socialista, que não pagou os salários aos trabalhadores.

Será que o Primeiro-Ministro deixou de ir aos Açores porque considerou que ajudar a encontrar soluções para a má gestão Socialista na SATA ou ajudar a resolver o problema de milhares de famílias que dependem directamente e indirectamente desta empresa Açoriana e que estão sem receber os seus salários prejudicaria a sua campanha eleitoral, já que tinha informações que o Furacão “Lorenzo” não iria ter grande impacto?

Consideramos que é este tipo de (má) governação que o Partido Socialista tem feito ao longo dos últimos 4 anos e que já não consegue esconder dos portugueses.

É inadmissível que uma empresa detida pelo Governo Socialista não cumpra com as suas obrigações, principalmente com os seus trabalhadores.

Por último, o PDR lamenta que esta campanha eleitoral se tenha centrado em questões circenses, como a que incidiu sobre a decisão de um Reitor em proibir estudantes de uma Universidade em comer carne de vaca ou sobre as dores de costas do Primeiro-Ministro, ao invés de se terem debruçado sobre as condições de vida dos portugueses e as suas reais necessidades.

Com o pedido de divulgação, apresentamos os nossos melhores cumprimentos,

Partido Democrático Republicano